sexta-feira, 21 de julho de 2017

Semana começa com atividades no Galpão da Lua.

Mauro Cosenza Machado - Foto: divulgação 

Na próxima segunda e terça 24 e 25, às 19h vai acontecer no galpão a oficina de malabarismo com o palhaço e malabarista Mauro Cosenza Machado de Montevidéu Uruguai. E na quarta dia 26, às 20h ocorrerá o espetáculo H2oBoom  no Conjunto Habitacional João Domingos Netto.
Sobre a oficina: O objetivo da oficina é gerar ao participante a necessidade de ter um processo criativo em qual queira desenvolver uma disciplina artística a qual possa executar de uma maneira saudável e recreativa em seu tempo livre ou como forma de oficio. Por outro lado, gerar ao participante o autocuidado, respeito, autoestima e companheirismo, incentivando a concentração, a confiança e sobre tudo a vencer medos, demonstrando a si mesmo que podem chegar e mudar coisas aparentemente difíceis mas com esforço e vontade se veem resultados satisfatório e difundir o malabarismo dentro da cidade e do país.
 As inscrições podem ser feitas na hora e a contribuição é espontânea com o chapéu para o artista.

Sobre o espetáculo: H2oBoom 
El Gran Enano
H2oBoom é o mais recente trabalho do uruguaio Mauro Cosenza, El Gran Enano, um palhaço excêntrico, elétrico e realista, possuído por um bufão que está oculto por uma tênue linha entre o empírico e o delírio. O espetáculo leva ao público toda a loucura de seu palhaço, mostrando sua pesquisa na manipulação de balões e objetos, utilizando o teatro físico para a construção poética-visual do espetáculo. H2oBoom é uma mescla de água e explosões, onde a observação e as provocações do palhaço rompem a linha que separa o artista da plateia possibilitando todos a entrar em seu jogo de cena.

Sinopse
H2oboom é um espetáculo que mescla, água e explosões. Que se inicia em tom poético onde balões e mais balões vão aparecendo, compondo as cenas e dando vida ao cenário. El Gran Enano, um excêntrico palhaço, utiliza suas habilidades e delírios para realizar com cada balão um estouro, onde bolas de ping-pong, engenhocas, mágica, água e muitas explosões acontecem de maneira crescente, rompendo a barreira entre artista e plateia gerando um jogo interativo conduzindo todos ao clímax do espetáculo, onde o palhaço se torna o alvo do Boom.
Interprete Criador: Mauro Cosenza - Uruguaio residente em São Paulo 
Duração – 40 minutos
Classificação – Livre 


Sobre Mauro Coenza
Aos 18 anos, deu uma reviravolta em sua vida quando conheceu o mundo dos artistas circenses urbanos e começou a arte do malabarismo, primeiro como um passatempo e logo como profissão. Um tempo depois descobre sua facilidade e amor dentro de um palhaço, o qual o ajudou muito a movimentar-se na rua e agradar o público com seu carisma.

Sua formação começa em 2007, no Uruguai , assistindo oficinas e cursos, assim como em seus estudos autodidatas. O qual o lhe provoca um grande desejo de expandir seus conhecimentos e decide começar a viajar por outros países.
Com pouca idade, alcançou um rápido desenvolvimento e paixão por cada técnica que optou, Clown e Malabares,, o qual o levou a apresentar seus espetáculos em diferentes parte do mundo.

Já realizou trabalhos em espetáculos de circo e de rua, festivais, varietes, teatros, foros e eventos. Também participou ativamente de espaços de circo como: La Invisible Circo, El Picadero y Tristán Periferia em Montevideo, Uruguai; no Centro Cultural trivenchi em Buenos Aires, Argentina; Espaço de Circo La Pertiga em Madri, Espanha; e Casa da Arvore em Brasília, Brasil.

Nestes espaços realizou diferentes atividades, desde projetos socioculturais como oficinas e apresentações de circo em bairros em situação de risco, espetáculo em presídios e instituições de menores, espetáculo de circo beneficentes e oficinas de circo integral além de realizar cursos mensais e oficinas de malabarismo.

Participou da organização de diferentes festivais como: 1° e 2° Festival Internacional de Circo Ozomatli na Cidade do México; 2° Festival Rodo Circo em Montevideo Uruguai; I FESTIRUA – Festival Internacional dos Artistas de Rua de Brasília, Brasil.

Serviços:
Oficina de Malabarismo
Dias 24 e 25 dàs 19h Às 22h​
Local: Galpão da Lua – Rua: Julio Tiezzi,130, Centro
Valor: Ao chapéu (Colaboração expontânea)

Espetáculo H2oboom
Dia 26 quarta-feiras, às 20h
Local: Praça do Wifi, João Domingos Netto
Valor: Ao chapéu (Colaboração expontânea)




sexta-feira, 7 de julho de 2017

20° Encontro da Rede Brasileira de Teatro de Rua

Segue a carta produzida no XX Encontro RBTR - Rede Brasileira de Teatro de Rua realizado no Galpão da Lua em Presidente Prudente de 29/06 à 02/07/2017:


20° Encontro da Rede Brasileira de Teatro de Rua
Galpão da Lua - Presidente Prudente/SP
02 de julho de 2017
Que cidade queremos?
Queremos um mundo possível...
Cidades desmilitarizadas, desprivatizadas. Vamos continuar bancando as armas que são produzidas para se virar contra nós?
Parece que não mais queremos lutar no ringue deste Estado
Nem apresentar em seus palcos,
Nem fazer mais leis para nos enquadrar nesse seu labirinto.
Falaram expropriação?
Direito à verdade. Não queremos justiça militar, nem democracia burguesa e seus pacotes de maldades.
Sabemos que por trás da polícia e das migalhas que nos dão e nos tiram está o projeto de Capital e suas grandes corporações privatizando as ruas e nos jogando às margens.
Mas, às margens também encontramos tantos outros marginais: Mulheres, indígenas, população negra, refugiados, ambulantes, pessoas em situação de rua, usuários de Crack, LGBT, sem terras, secundaristas, periféricos, artistas de rua.
Travesti não é bagunça!
E não queremos fechar portas,
Queremos derrubar as paredes que sustentam as portas!
E não queremos fechar portas,
Queremos derrubar as paredes que sustentam as portas!
E romper as fronteiras...
Mas não romantizemos a rua não!
Precisamos tomar as ruas para que a burguesia entenda que ela precisa nos devolver o que nunca foi nosso.
Mas não romantizemos o coletivo não!
Precisamos também derrubar as paredes que estão em nossos ouvidos e olhar as nossas atitudes cotidianas.
Qual a unidade de pensamento e de ação que podemos construir a partir de nossos relatos e para além de nossas controvérsias?
Vivemos tempos de partidos. Mulheres e homens partidos. Nem pessoa física, nem pessoa jurídica. Pessoa. Pessoas diversas num coletivo de coletivos.
Se parece estarmos fadados ao amadorismo e não garantir com a arte nossa sobrevivência só nos resta a resistência.
Existir é resistir.
É a volta do cipó de aroeira no lombo de quem mandou dar.
A cidade que queremos apoia o Galpão da Lua
A cidade que queremos exige justiça ao assassinato do artista uruguaio Matias Gallindez
A cidade que queremos exige 1% do orçamento para a cultura de Osasco
A cidade que queremos Descongela a Cultura Já em São Paulo
A cidade que queremos respeita as mulheres na escola, nas artes e nas ruas
A cidade que queremos repudia a retirada dos artistas da Ocupação no hospital Psiquiátrico São Pedro em Porto Alegre
A cidade que queremos repudia a junção da Secretaria de Cultura com a de turismo em Canoas/RS
A cidade que queremos é contra o desmonte da arte e da cultura e luta por um programa de ações continuadas na Secretaria de Cultura de Fortaleza/CE
A cidade que queremos é contra a lei que proíbe apresentações artísticas nos semáforos e nas ruas de São José dos Campos/SP
A cidade que queremos apoia a ocupação MARL em Londrina/PR e repudia o projeto de lei 02/17 que visa criminalizar todas as ocupações do município.

A cidade que queremos exige a verdade sobre o assassinato de Luana Barbosa









domingo, 2 de julho de 2017

Último dia do XX Encontro da Rede Brasileira de Teatro de Rua

Domingo, dia 02 de julho, últimos momentos do XX Encontro da RBTR, o encontro que comemora 10 anos da Rede foi marcado por muita arte e reflexão. Foram 9 dias intensos com trabalhos em todos os períodos o dia. Mais de 100 artistas vieram à Presidente Prudente e puderam colocar suas pautas locais, dividir suas angústias e pensamentos sobre o fazer artístico do trabalhador da cultura. Hoje será redigida a carta desse encontro com os pensamentos produzidos durante esses dias.

A Mostra Artística terá o espetáculo do Grupo TIA do Rio Grande do Sul e o Sarau que abre a 2ª Semana da Diversidade em Presidente Prudente

O grupo gaúcho traz a peça “História de circo em lona” que busca inspiração nos palhaços dos circos tradicionais com números de enganação, inversos ao da virtuose e com o fracasso como base. Mas que viram uma grande comunhão com o público, devido ao alto grau de simplicidade, ludicidade e, sobretudo, de cumplicidade que se estabelece.

Grupo TIA (Teatro Ideia Ação) desenvolve um trabalho continuado a mais de uma década. Tendo como proposta um teatro popular e de intervenção social. Uma de suas características mais marcantes é a viabilidade para a itinerância, todos seus espetáculos são concebidos e pensados tanto na questão estética como material para seu objetivo maior, circular, ir ao encontro do público onde quer que ele esteja, seja nas grandes metrópoles, nos teatros, nas praças, nas favelas, no sertão. Levar a sua arte aonde público e artista, numa comunhão, virem um só.

FICHA TÉCNICA
Realização: Grupo TIA
Dramaturgia: Grupo TIA
Direção: Marcelo Militão
Figurino e Maquiagem: Mariana Abreu
Adereços: Grupo TIA, Denise Ayres e Renan Leandro
Trilha sonora: Grupo TIA e Felipe Nunes
Elenco: Marcelo Militão – Mariana Abreu – Mário Ferrolho
Produção: Grupo TIA
Duração: 45 minutos
Público: Livre

Programação dia 02 de julho:
9h – Roda de encerramento do XX Encontro da RBTR.
15h – Espetáculo “História de circo sem lona” com o Grupo TIA (Canoas-RS).
Local: SESC Thermas, Rua Alberto Peters, 111 - Jardim das Rosas.
18h – Sarau de Abertura da 2ª Semana da Diversidade (Somos LGBT / Pres. Prudente-SP).
Local: Quadra coberta do Parque do Povo.